Curso de Veterinária sem uso de cobaias da Anhembi Morumbi tem aprovação de alunos

4

Nos cursos de Medicina e Medicina Veterinária da Anhembi-Morumbi os alunos utilizam bonecos e outros métodos modernos que poupam a vida de cobaias. Em pesquisa feita com os alunos a aprovação foi excelente. Outro ponto positivo é a ação social, pois, os alunos também fazem atividades junto aos animais de populações carentes.

Compartilhar

4 Comentários

  1. Em primeiro lugar, foi autorizado a postagem de uma foto da ANHEMBI MORUMBI? Em segundo lugar, vou dar o exemplo da minha faculdade pois é uma das melhores: temos a Jalim (égua) e a Valdirene (vaca) e umas olhevas e cabritos como “cobaias” porem sao SUPER bem tratadas, amadas por todos os professores, alunos e funcionarios, e sao usadas apenas em algumas poucas aulas praticas, onde professores nos mostram como fazer auscultacao, mediçao do perimetro do testiculo nas aulas de reproducao, colheita de semem pra analise, essas coisas. OS ANIMAIS NAO SAO MALTRATADOS OK? Nao vejo problema NENHUM nisso! E outra: estudar anatomia SEM peças anatomicas? Já informo que é HORRIVEL. Na anhembi temos peças de plastico e anatomicas e digo com convicçao que NAO EH A MESMA COISA! Na peça artificial eh tudo lindo de ver e aprender, na peça anatomica real é outra historia.

    • mm

      Olá Mariana. A matéria sobre a Anhembi-Morumbi postada neste site é uma reprodução do portal ANDA, para onde a entrevista foi concedida, conforme vc pode ver na publicação. As fotos foram cedidas pela faculdade para ilustrar a matéria. A Anhembi tb tem aulas práticas com animais, mas quando eles realmente precisam de ajuda e nesse caso, quando os alunos já estão preparados para essas aulas e sob supervisão dos professores. Não usam cobaias, mas “pacientes reais” que é o mais ético de se fazer. Vc não mencionou o nome da sua faculdade onde Jalim e Valdirene são submetidos a vários procedimentos. Desde que esses procedimentos não causem dor, desconforto nem medo, creio que não há problema. O que esse site propõe é o uso de métodos modernos de ensino que substituem as cobaias por completo. Os bonecos realísticos, por exemplo, possuem todos os orgãos, veias, têm reações, pode-se treinar coleta de sangue e todos os procedimentos, veja bem, todos os procedimentos feitos em animais vivos. Convido-a a conhecer tais métodos fazendo um tour por esse site. O ensino evoluiu muito e é importante que alunos e professores, ao menos, se interessem em conhecer o que há de mais novo e eficiente no campo do ensino. Felizmente, várias faculdades no Brasil já estão adotando esses métodos e tendo aprovação dos alunos. Para vc ter uma ideia, nos EUA e Canadá, mais nenhuma universidade médica usa cobaias… são 202 universidades formando médicos todos os anos sem uso de cobaias (leia na seção Não usam cobaias). A proposta é refletir sobre isso.

      • O grande problema é esse. Quem se formou usando cobaia, não se interessa em saber sobre novos métodos. Tem também o comércio que fornece as cobaias.
        Eu estou assistindo aulas de psicologia, testes em ratos e minhas notas nessas matérias são baixas, não tenho rendimento, já reprovei algumas, enquanto as disciplinas que não tem ratos, minhas menções são acima de 8.
        Não vejo necessidade alguma de passar por uma caixa de Skinner, já que há séculos se faz esse experimento com os animais. Da mesma forma que eu não sentar no divã de Freud não inviabiliza eu estudar Psicanálise.

        • mm

          Angélica… tem a carta de objeção de consciência. Vc não é obrigada a fazer testes em animais para se formar. E esse teste de skinner já ficou obsoleto. Se vc fotografar e filmar seria ótimo pq podemos mostrar que a escola está errada em insistir nesse método havendo outros. O próprio Concea assinala q havendo métodos substitutivos não se deve usar animais. A Lei 9.605 idem.

Deixe um comentário